Compartilhe

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Sugestão para Missa do Domingo de Ramos da Paixão do Senhor - Ano A - 17-Abr-2011



Sugestão para Missa do Domingo de Ramos
da Paixão do Senhor - Ano A - 17-Abr-2011

- Cf 2011 - Fraternidade e a vida do planeta -
- Bendito o que vem em Nome do Senhor -

Neste Domingo celebramos o Domingo de Ramos, iniciamos a Semana Santa onde Jesus irá se dar para a salvação de toda a humanidade. Gostaria de Transcrever o texto de John Nascimento que explica bem esta importante data na qual comemoramos neste domingo.

A Liturgia da Palavra deste Domingo de Ramos na Paixão do Senhor – A, é toda referente a Cristo triunfante ao encontro da morte com a liberdade de Filho.

As duas primeiras Leituras são comuns para os três Ciclos A, B e C.

A Liturgia deste domingo, portanto, reveste-se de dois aspectos, aparentemente contraditórios.

Fala-nos de triunfo e de glória para, logo a seguir nos apresentar a leitura da Paixão, que neste ano é segundo S. Mateus.

Apresenta-nos, portanto, a figura de Jesus no seu aspecto de Rei messiânico e ao mesmo tempo de «Servo do Senhor».

A entrada triunfal conduz à Paixão, mas a Paixão só é plenamente compreendida por aquele que reconhece o carácter messiânico de Jesus Cristo.

A morte é apenas um aspecto do Mistério total da Páscoa.

Jesus caminha para a morte, voluntariamente, numa liberdade total, em amorosa entrega pelos homens.Ao aceitar o entusiasmo da multidão, que bem depressa se mostrará desiludida com o Messianismo de Jesus, o Senhor quer mostrar a liberdade perfeita com que o «Servo Sofredor» vai realizar a Sua missão redentora.

A 1ª Leitura, do Livro do profeta Isaías apresenta-nos o «Servo de Deus» que se oferece como vítima pelos homens seus irmãos.

- “Apresentei as costas àqueles que me batiam e as faces aos que me arrancavam a barba, e não furtei o rosto aos insultos e aos escarros”.(1ª Leitura).Entregando-Se confiadamente à Vontade do Pai, seguro de que Ele O assistirá, não hesita em cumprir a Sua missão, que O levará à morte.

Na Sua humilhação, Deus far-Lhe-á conhecer a exaltação ainda que se possa sentir, por momentos, abandonado pelo Pai, como proclama o Salmo Responsorial :

- “Meu Deus, Meu Deus, porque Me abandonastes” ?

Na 2ª Leitura, S. Paulo diz aos Filipenses, e hoje também a todos os homens, que Jesus se fez um de nós, sujeitando-se às contingências da natureza humana, em obediência ao Pai, para nos poder salvar.

- “Assumindo a condição de servo, tornou-Se semelhante aos homens. Aparecendo como homem, humilhou-Se ainda mais, obedecendo até a morte, e morte de cruz”.

(2ª Leitura).

No aniquilamento da morte começa, porém, a Sua elevação à glória.

A narração da Paixão é segundo S. Mateus.

S. Mateus dirige-se não a descrentes em busca da Fé, como S. Marcos, mas a cristãos de origem judaica, perfeitos conhecedores do Antigo Testamento.

Por isso, lembrando os salmos e os profetas, o Evangelista mostra como a Paixão de Jesus é a realização de tudo quanto, na longa preparação da vinda do Messias, fora anunciado.Mas a Paixão marca também o fim da Antiga Aliança.

Ao antigo povo eleito, obstinado em não reconhecer a divindade de Jesus, sucede-se o Novo Povo de Deus.Despojando-se de tudo o que lhe pertence por conquista ou pelo trabalho, o homem reconhece que tudo pertence a Deus e lho “restitui” em agradecimento.

E quando uma parte do que foi sacrificado é comida pelos ofertantes, então estabelece-se uma comunhão simbólica entre Deus e os comensais, uma participação da mesma vida.

Na Bíblia, as tradições sacerdotais dão-nos a conhecer uma legislação complexa, que poderia facilmente assumir um valor autónomo e, portanto, formalista, esquecendo o significado da acção cultural em relação à salvação integral do homem.

Os profetas lembram frequentemente que Deus só aceita as ofertas e os sacrifícios se forem acompanhados de uma atitude interior de humildade, de uma oferta espiritual de si mesmo, de reconhecimento da própria e radical pobreza e da necessidade de uma libertação que nós sozinhos não poderemos obter, mas podemos invocar e esperar de Deus.

A pobreza é, pois, o sacrifício espiritual, isto é, a realidade profunda de toda a oferta e imolação de animais e de coisas em honra de Deus.Esta é a atitude dos “pobres de Javé”, e especialmente do “Servo de Javé”; este, tanto no sentido individual como no corporativo.

Enviado para salvar o seu povo (a humanidade), é obrigado a suportar perseguições e ultrages; aceita-os, entretanto, com paciência e mansidão, sabendo que Deus o salvará.

Cumpre a sua missão oferecendo-se a si mesmo como vítima inocente, para expiar os pecados do povo.Pela sua obediência e pelo seu amor, Deus o exaltará e glorificará; e, com os irmãos salvos, ele louvará o Senhor num sacrifício (banquete) de acção de graças aberto a todos.

Graças ao sacrifício de Jesus, todos os homens podem agora aproximar-se de Deus e penetrar no plano da História da Salvação.

Diz-nos o Catecismo da Igreja Católica :

559. – Como vai Jerusalém acolher o seu Messias ? Embora tenha sempre evitado as tentativas populares de O fazerem Rei, Jesus escolheu o momento e preparou os pormenores da sua entrada messiânica na cidade de «David, seu pai»(Lc.1,32). E é aclamado como filho de David e como aquele que traz a salvação(»Hosanna» quer dizer «então salva», «dá salvação»). Ora, o «rei da glória»(Sl.23,7-10) entra na «sua cidade», «montado num jumento»(Za.9,9). Não conquista a filha de Sião, figura da Igreja, nem pela astúcia nem pela violência, mas pela humildade que dá testemunho da verdade. Por isso é que os súbditos do seu reino, naquele dia, são as crianças e os «pobres de Deus», que O aclamam, tal como os anjos O tinham anunciado aos pastores. A aclamação deles : «Bendito o que vem em nome do Senhor» (Sl.117,26), é retomada pela Igreja no «Sanctus» da Liturgia Eucarística, a abrir o Memorial da Páscoa do Senhor.

560. – A entrada de Jesus em Jerusalém manifesta a vinda do reino que o rei Messias vai realizar pela Páscoa da sua Morte e da sua Ressurreição. É pela sua celebração, no domingo de Ramos, que a Liturgia da Igreja começa a Semana Santa.Hosana ao Filho de David.. Bendito o que vem e nome do Senhor...

Espero ter ajudado e deixem os comentários para melhorarmos ainda mais nosso Blog.


Pax et Bonum

Rogério T. Hirota
Ministério Ressurreição - Jacareí - SP

Entrada:
Hosana - Agnus Dei - cd. 1985-86-87
Cifra



Hosana Hey - Roberto Malvezzi - cd.Canções para Orar 1
Cifra



Hosana - Marcinha cd. Anjos de Deus
Cifra



Hosana ao Rei - Laércio Oliveira- cd. Motivo da canção
Cifra



Hosana - Márcio Pacheco cd. Coração Adorador
Cifra



Hosana - Jean - cd. O Teu amor
Cifra



Hosana, Hosana e Viva - Liturgicas - cd. Liturgia VIII
Cifra



Ato Penitencial: Omite-se

Hino de Louvor: Omite-se

Salmo:
Salmo 21 - Adrielle Lopes - cd. Salmos 01
Cifra



Aclamação:
Salve ó Cristo Obediente - Refrões Contemplativos II
Cifra



Ofertório:
Sobe a Jerusalém - Liturgicas
Cifra



O Morte estás Vencida - Liturgicas
Cifra



Sanctus:
Hosana ao Rei Jesus - Nando Mendes
Cifra



Hosana - El Shadai - Somente Meu
Cifra



Comunhão:
Tu nos Atraístes - Shalom - cd. Ressucitou
Cifra



Cristo Missionario do Pai - Liturgicas
Audio e Cifra

Eu vim para que todos tenham vida - Liturgicas
Cifra



Pós:
Ao Cordeiro - Walmir Alencar - cd. Misericordia Infinita
Audio e Cifra

Final
Discipulos da Cruz - Toca de Assis - cd. Jesus Sacramentado nosso Deus amado!
Audio e Cifra

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...