Compartilhe

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Sugestão para Missa Solene da Epifania do Senhor - Ano B - 08-Jan-2012


Sugestão para Missa Solene da Epifania do Senhor - Ano B - 08-Jan-2012

-Vimos a sua estrela e viemos adorá-Lo-


A Paz de Jesus e o Amor de Maria!

Nesta semana estamos celebrando a Epifania do Senhor, a Manifestação do Senhor no meio da humanidade através do nascimento de Jesus, nossa estrela da manhã que nos guia até o Pai. Como ainda estamos nas oitavas de Natal podemos tocar algumas músicas voltadas ao Natal durante este tempo. Estarei postando aqui um artigo formação sobre a Epifania e as sugestões virão em seguida.

Pax et Bonum!

Rogério Hirota
Ministério Ressurreição



OS MAGOS ADORAM JESUS EM BELÉM (*)

Epifania (do latim epiphania ou do grego epiphaneia) significa aparição ou manifestação divina. No Ocidente a Epifania tem três objetivos: a visita dos Magos, o Batismo de Cristo e as Bodas de Caná. Todavia esses três eventos não são celebrados de forma simultânea no dia 6 de janeiro, ou no domingo mais próximo a essa data (M.Auge, et al. Anámnesis 5: O Ano Litúrgico. Paulinas:1991 p.193 e 199). De fato, a Igreja recorda a visita dos Magos, entendida como manifestação da divindade de Jesus; no Oriente a Igreja dá ênfase ao Batismo do Senhor, que aqui é celebrada no domingo seguinte (11 de janeiro de 2004).

O Dia de Reis é uma das festas católicas mais populares da Europa e ela foi trazida também para o Brasil. Magos (do latim magus), de fato, não eram reis, mas pessoas atribuídas à ciência da astrologia e astronomia, isto é, tinham o poder de interpretar os sonhos, prever o futuro pela observação do curso dos astros e sabiam ler a vontade de Deus através dos acontecimentos comuns ou extraordinários da vida. O “astro” que viram pode bem ter sido a
conjunção dos planetas Júpiter e Saturno (Comentário Bíblico. Ed.Loyola, p-14, v.3). A tradição dos magos (Século V) nos diz que eles eram três: Baltazar, oriundo da África e que representava a raça negra; Gaspar, vindo da Ásia, simbolizava a raça amarela e, por fim, Melquior, que era o representante da raça branca. Guiados por uma estrela, os três se encontram um mesmo ponto e depois de percorrerem juntos o último trecho da estrada, chegaram até Belém. O meio de transporte utilizado era camelos e dromedários. Após atingirem a idade de 120 anos, os magos viram novamente a estrela que os teriam conduzido até a cidade de Anatólia para celebrar a missa de Natal e, no mesmo dia, felizes, morreram. Suas relíquias repousam na Catedral de Colônia, na Alemanha.

Na primeira leitura, tirada de Is 60, 1-6, evoca-se, de modo poético, a vinda dos Magos e sua adoração diante de Jesus, texto que está evidentemente em sintonia com o Mt 2, 1-12, onde é retomado, de certa forma, o trecho de
Isaias. No Evangelho o foco é a realeza, visto que Jesus nasce da descendência de Davi. A realeza de Cristo, sucessor natural de Davi, se constituía numa ameaça a um rei ilegítimo, estrangeiro, nomeado e protegido
pelo senado romano: Herodes, o Grande (37-4 aC), que era rei da Judéia. Ele se sentia ameaçado por um simples menino nascido em Belém, daí a sua preocupação em consultar os Magos para localizar e eliminar o seu potencial
“concorrente”.

De acordo com o relato de São Mateus, os magos chegaram do Oriente, guiados por uma estrela, para adorar a Jesus. Os reis, ou Magos, pagãos, são símbolos dos povos que queriam um rei justo, o “rei dos judeus”, que traria melhorias de vida às pessoas do lugar. Mateus interpreta o episódio dos Magos como sendo a realização da profecia: guiados pela luz do Messias, os povos pagãos (os Magos) se dirigem para Jerusalém, para levar os seus dons: ouro, incenso e mirra. O meio de transporte tem sustentação em Is 60,6 (“...será uma inundação de camelos e dromedários de Mediã e Efa a te cobrir...”).

A estrela, no sentido bíblico, representa, de fato, Jesus, a luz que ilumina a todos os homens; os Magos simboliza a humanidade que se deixa guiar pela mensagem da paz e de amor de Cristo. Os magos, portanto, representam os
povos de todas as etnias, tribos, línguas, nações, comunidades, paróquias, independente de cultura, credo e status social.



Entrada:
Estrela da Manhã - Co. Shalom cd. Agora eu sei

Audio e Cifra

Deixa a Luz do Céu entrar - Pe. Zeca cd. Deus é Dez
Audio e Cifra

É Natal - Adriana cd. Navidar de Martin Valverde
Audio e Cifra 

Toquem as Trombetas - Agnus Dei cd. 93/94
Audio e Cifra 

Chegou a hora de sonhar de novo - Liturgica
Audio e Cifra 



Ato Penitencial:
Ó Senhor Tende Piedade - Min. Amor e Adoração
Cifra e Audio 

Hino de Louvor:
Glória anjos do céu - Liturgicas
Audio e Cifra 

Aclamação:
Aleluia , No Principio era a Palavra - Católicas
Audio e Cifra 

Ofertório: 

Nas terras do oriente- Hinário CNBB - cd. Liturgia V
Audio e Cifra  


Santo
Santo - Amor e Adoração
Cifra e Audio 

Paz:
Paz de Natal - Pe. Zezinho - cd. Diante do presépio
Audio e Cifra 

Comunhão:
No presépio pequenino - Liturgicas
Audio e Cifra 

É Natal, amém - Liturgicas - cd. Alguém está nascendo
Audio e Cifra

Da cepa brotou a rama - Hinário CNBB - cd. Liturgia V
Audio e Cifra 

Nasceu o Salvador - Liturgicas - cd. Alguém está nascendo
Audio e Cifra 

Panis Angellicus - Luciano Pavarotti - Classica
Audio e Cifra 

Pós:
Simplesmente amar - Vida Reluz - cd. Celebra a Vitoria
Audio e Cifra 


Jesus é Luz - Pe. Zezinho cd. Canções que a Fé escreveu
Audio e Cifra

Essa Luz - Banda Taus - cd. Toque
Audio e Cifra

Nova Luz - Anjos de Resgate
Audio e Cifra

Final:
Eu sigo a Luz de Jesus - Pe. Zezinho cd. Cancoes que a Fe escreveu
Audio e Cifra 

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...